MENU DE APRENDIZAGEM

TRABALHO EM GRUPO

TRABALHO EM GRUPO

por Hifa Educação

Apresentação

O trabalho em grupo envolve a reunião de estudantes de forma intencional, orientada e mediada para a realização de atividades coletivas, com tarefas claramente distribuídas. É uma prática que vai além da mera organização de alunos em equipes, pois precisa haver intencionalidade nos agrupamentos e objetivos de aprendizagem específicos que desenvolvam habilidades socioemocionais, além dos objetivos relacionados aos conceitos pedagógicos. A abordagem pedagógica incentiva a troca de ideias, a discussão de conceitos e a resolução conjunta de desafios, criando uma atmosfera de aprendizado mais dinâmica e participativa.

Essa forma de trabalho exige uma postura diferenciada, pois em algum momento as crianças têm de sugerir o que os outros devem fazer, ouvir as sugestões, acatar as decisões do grupo ou apresentar bons argumentos para persuadir o outro. Todas essas ações precisam ser guiadas pela professora, ou o professor, que deve instrumentalizar o grupo, a fim de que este esteja preparado para lidar com as diversidades de opiniões e formas de trabalho. A mediação adequada apresenta bons resultados tanto acadêmicos quanto socioemocionais.

Dessa forma, é possível concluir que os critérios avaliados vão além daqueles estabelecidos pelo conteúdo conceitual da disciplina. A professora, ou o professor, consegue verificar as habilidades de comunicação e a capacidade de cooperação e liderança de cada aluno, o que contribui para uma compreensão mais completa do seu progresso. Assim, essa prática pode ajudar os educadores a adaptar suas abordagens de ensino às necessidades específicas de cada grupo.

Um exemplo

As crianças do 3º ano do ensino fundamental estão aprendendo sobre bacia hidrográfica e os elementos que a compõem. Para avaliar o conhecimento da turma, a professora, ou o professor, organiza a sala em grupos heterogêneos de quatro crianças cada, para que façam uma maquete de argila identificando todos elementos que estudaram ao longo das aulas. Cada grupo precisa definir os papéis de seus componentes para que a maquete seja feita. Essa definição pode ser estabelecida pela professora, ou pelo professor, ou pelas crianças, dependendo dos objetivos estabelecidos. Após essa decisão, será possível acompanhar e mediar as situações e instrumentalizar os alunos para lidar com as divergências.

Por onde começar

  • Exponha as expectativas: explique aos alunos o que se espera deles durante as atividades em grupo, incluindo comportamento, comunicação, responsabilidades individuais e compreensão da importância da cooperação e do respeito mútuo.
  • Pense nos grupos: use uma variedade de métodos, como escolha do professor, sorteio ou até mesmo deixar os alunos escolherem seus próprios grupos, dependendo dos objetivos da atividade. Varie as composições dos grupos ao longo do tempo para promover a interação entre diferentes estudantes.
  • Quebre o gelo: inicie o ano letivo com atividades de integração que ajudem os alunos a se conhecerem melhor, explorando tarefas como jogos, perguntas divertidas ou projetos colaborativos simples. Essas atividades ajudam a construir relacionamentos positivos entre os alunos, o que é fundamental para o sucesso do trabalho em grupo.

Características

  • Colaboração: o trabalho em grupo promove o aprendizado colaborativo, com os alunos compartilhando conhecimento, experiências e diferentes pontos de vista. Eles aprendem a construir soluções coletivas para problemas complexos, o que reflete a realidade do mundo profissional, no qual, muitas vezes, é necessário o trabalho em equipe para alcançar objetivos.

Pontos de atenção

  • Estratégias: agrupar os estudantes e passar atividades para envolvimento e produção em conjunto não é sinônimo de ensinar a trabalhar em grupo; para tanto, é preciso ensiná-los a cooperar, argumentar, ouvir e ceder. 
  • Participação: o maior desafio do trabalho em grupo é garantir que todos os alunos participem ativamente e tenham oportunidades iguais de contribuir. Implemente regras de participação que garantam que todos os alunos tenham a chance de falar. Por exemplo, antes de iniciar a discussão, cada aluno pode ter um tempo designado para compartilhar suas ideias. Além disso, um “facilitador de grupo” pode ser escolhido para assegurar que todos sejam ouvidos e que as opiniões sejam respeitadas.
  • Avaliação individual e coletiva: alguns alunos podem se beneficiar indevidamente do esforço do grupo, enquanto outros podem não contribuir plenamente. Utilize uma abordagem de avaliação mista que, além da avaliação do projeto ou da tarefa em grupo, também avalie os alunos individualmente. Isso pode ser feito por meio de autoavaliações, avaliações entre pares ou entrevistas individuais após a conclusão do projeto. Dessa forma, os alunos são incentivados a contribuir igualmente e a demonstrar seu próprio entendimento do conteúdo.
Pular para o conteúdo